Nota Oficial (OMB)


O CONSELHO FEDERAL DA ORDEM DOS MÚSICOS DO BRASIL, em razão de matéria sensacionalista publicada em jornais e veiculada em rede nacional de televisão, sobre decisão judicial proferida em caso isolado, na Cidade de Curitiba, acerca da constitucionalidade das atividades da Ordem dos Músicos do Brasil, a bem da verdade e na salvaguarda das prerrogativas institucionais da Ordem dos Músicos do Brasil, torna público o seguinte:A decisão proferida nos autos de Mandado de Segurança da 2ª. Vara Cível Federal de Curitiba, que motivou o tendencioso noticiário sobre a inconstitucionalidade da regulamentação da profissão de Músico, e liberou os Impetrantes para exercer a profissão de Músico sem necessidade de registro na Ordem dos Músicos, tem validade restrita e aproveita apenas os dois músicos constantes do processo; não é decisão definitiva e está sujeita a reforma pelo Tribunal Regional Federal da 4º. Região, que reexamina a decisão, em face de recurso interposto pelo Conselho Regional da Ordem dos Músicos do Paraná.Revelando a facciosidade do noticiário, é de se ressaltar que os veículos de informação que veicularam a notícia, contrariando a boa ética jornalística, deixaram de ouvir a parte contrária,(a OMB), assim como omitiram outras decisões em mandados de segurança semelhantes, favoráveis à Ordem dos Músicos em que foi negado pedido de liminar, formulado por músicos que pretendiam com o mandado de segurança, anular as autuações e a multa que lhe foi aplicada pelo exercício ilegal da profissão.A bem da verdade e para esclarecer a classe, é necessário informar que a mesma Justiça Federal no Paraná, no Mandado de Segurança 2000.70.00.026400-5, da 6ª. Vara Federal de Curitiba reconhece que a profissão de músico tem regulamentação legal através da Lei 3.857/60, que é constitucional, e que o músico só pode exercer a profissão, depois de regularmente registrado no Conselho Regional da Ordem dos Músicos, onde for desempenhar suas atividades. O registro perante o órgão fiscalizador da profissão de músico é obrigatório e legal, devendo o interessado em exercer o trabalho de músico, inscrever-se previamente na Ordem dos Músicos.A Constituição garante a todos o exercício livre de qualquer trabalho, mas não dispensa ninguém de cumprir, de acordo com a Lei, as formalidades que este exercício, em cada caso, exige.Segundo o Juiz Federal da 6ª. Vara de Curitiba é indiferente que as funções de Músico sejam ou não nocivas à comunidade. O legislador, ao disciplinar determinada profissão, teve em mira outro critério, diverso da potencialidade nociva. E não há que se invocar a liberdade de associação.“Ninguém está sendo obrigado a associar-se, mas a providenciar uma inscrição à qual a lei condiciona o exercício de determinada profissão.“Se desejar exercer a profissão de Músico, haverá de prestar obediência à disciplina própria do ofício.Em outra decisão sonegada no noticiário pela mídia, o Juiz Federal da 4ª. Vara Cível Federal de Curitiba, ao apreciar o Mandado de Segurança 2000.70.00.025010-9, impetrado por músico, para desobrigar-se do pagamento das anuidades devidas à Ordem dos Músicos, indeferiu a liminar pleiteada, baseado em decisão do Tribunal Regional Federal da 4ª. Região, que reconhece que “O músico inscrito na Ordem dos Músicos do Brasil fica vinculado à entidade e é devedor das anuidades enquanto dela não se desligar ou dela for excluído.”Com estas decisões, reconhece a Justiça Federal à constitucionalidade, a legalidade e a legitimidade da Ordem dos Músicos do Brasil como órgão de seleção, defesa da classe dos Músicos e de fiscalização do exercício profissional, ao mesmo tempo em que valoriza o exercício da profissão de músico, condenando a concorrência desleal dos aventureiros e reservando o mercado de trabalho àqueles que realmente fazem da música profissão.Para evitar transtornos aos incautos, alerta ainda o Conselho Federal que continuam em pleno vigor, em todo o território nacional, as disposições da Lei 3.857/60, que regulamentam o exercício da profissão de músico, bem como a Lei das Contravenções Penais, que em seu Art. 47, pune com pena de prisão, aqueles que exercem ilegalmente a profissão de Músico, sem a devida inscrição na Ordem dos Músicos do Brasil.Na defesa da ordem, das prerrogativas institucionais da entidade dos Músicos, que está completando 40 anos de existência e do mercado de trabalho do músico profissional, não transigirá a Ordem dos Músicos do Brasil em fazer respeitar a Lei 3.857/60, que continua, para todos os seus efeitos, em pleno vigor.
Profº Roberto Bueno
                                                             Presidente
Fonte: Ordem dos Músicos do Brasil/SP

SO DANÇO SAMBA

GIGUE



O giga ( pronúncia francesa: [ʒiɡ] ) ou giga ( italiano: [dʒi ɡa ː] ) é uma animada dança barroca originário dos britânicos jig . Foi importado para a França em meados do século 17 [ 2 ] e geralmente aparece no final de uma suite.
No teatro Inglês cedo, era habitual ao fim o desempenho de um jogo com um giga, com música e dança. [ 3 ]
Um giga é normalmente em 08/03 ou em um de seus compostos metros derivados, como 08/06, 04/06, 08/09 ou 12/16, embora haja algumas gigues escrito em metros (por exemplo, o giga de Bach a primeira Suíte francesa (BWV 812), que é escrito em 04/04). Eles muitas vezes têm um contraponto textura. Muitas vezes tem acentos nas batidas terceiro na barra, tornando o giga uma dança folclórica animada.

MANHÃ DE CARNAVAL

Manhã de Carnaval é o nome da canção mais popular de Luiz Bonfá e Antônio Maria, gravada na trilha sonora do filme Orfeu Negro, em 1959. Esta canção se tornou tradicional nos meios de jazz estadunidense e é tocada regularmente também por muitos artistas internacionais. A canção é considerada uma das mais importantes canções no mercado do jazz brasileiro nos Estados Unidos da América, que ajudou a estabelecer o movimento da bossa nova no final da década de 1950.
Existem também outras versões da música com letra adaptada para o inglês, mas a versão mais popular, até mesmo no estrangeiro, ainda é a de nome e letra em português.[1] Vários grandes nomes da música já interpretaram esta canção, com versões instrumentais ou a versão original com vocais, nomes como: Chet Atkins, John McLaughlin,George Benson, Placido Domingo, Stan Getz,Cher, etc.
Manhã de Carnaval introduziu Luiz Bonfá à fama com reconhecimento internacional em 1959: apresentando a bossa nova ao mundo todo com sua vasta produção sonora em discos de diversos artistas; com o lançamento internacional do filme Orfeu Negro; e, com a apresentação de vários shows de Luiz Bonfá no exterior além de outros nomes populares do mercado de música internacional interpretando esta canção ao vivo nos auditórios de outros países

Wave

 

Música lançada em 1977 no LP "Amoroso" de João Gilberto. Posteriormente foi gravada por vários cantores inclusive pelo autor. Antonio Carlos Jobim foi o compositor brasileiro mais famoso dentro e fora do Brasil, na última metade do século XX. Carioca, nascido na Tijuca em 25 de janeiro de 1927, mudou-se para Ipanema em 1931. Iniciou seus estudos musicais em 1941 com o professor Hans Joachim Koellreuter, teve excelente formação musical ainda com os professores Lucia Branco, Tomás Terán, Leo Peracchi e Alceu Boccchino. Formou com Vinicius de Moraes a mais famosa dupla de compositores da moderna música popular brasileira: provavelmente a dupla mais erudita onde Vinícius era mais letrista e Tom mais compositor; conheceram-se em 1956, através de Lúcio Rangel, no famoso Bar Gouveia, em frente à Academia Brasileira de Letras, quando foi convidado e aceitou musicar a peça "Orfeu da Conceição" de Vinícius de Moraes. Compuseram juntos músicas maravilhosas como "Se todos fossem iguais a você", "Eu sei que vou te amar", "Chega de saudade", "Garota de Ipanema" (uma das músicas mais gravadas em todo o mundo), "A felicidade", "Insensatez", "Canção de amor e paz", "Ela é carioca", "Eu não existo sem você" e muitas outras. Participaram ativamente das músicas de transição entre a fase de "dor de cotovelo" e a bossa nova, cujo marco inicial considera-se "Chega de saudade", gravada por Elizeth Cardoso no LP "Canção do amor demais" com João Gilberto tocando violão com sua batida diferente e característica da bossa nova. Além de Vinícius teve os melhores parceiros da MPB como Chico Buarque, Dolores Duran, Newton Mendonça, Aloysio de Oliveira, Billy Blanco, Luiz Bonfá, Marino Pinto, Paulo Soledade, Paulo César Pinheiro e muitos outros. Antonio Carlos Brasileiro de Almeida Jobim morou muito tempo nos Estados Unidos da América tendo participado de inúmeras gravações com famosos músicos e cantores americanos como Frank Sinatra, Stan Getz, Miles Davis, Quincy Jones, Dizzie Gillespie, Charles Byrd, Sara Vaughn, Ella Fitzgerald e Louis Armstrong. Faleceu dia 8 de dezembro de 1994, aos 67 anos em Nova York.
Miúcha, nome artístico da cantora Heloísa Maria Buarque de Hollanda, nasceu em 30/11/1937 no Rio de Janeiro, filha do historiador Sérgio Buarque de Hollanda e irmã de Chico Buarque de Hollanda.
Viveu juntamente com Chico e os irmãos numa família onde eram cultivados aspectos culturais e musicais, quando não havia televisão e as famílias se reuniam para conversar, recitar poesias e cantar. Assim tanto Miúcha como Chico puderam ter o privilégio de conviver com inúmeros artistas e intelectuais amigos de seu pai e que frequentavam sua casa. Durante seus estudos na França, Miúcha começou a cantar por diversão, conheceu João Gilberto, com quem viajou para os Estados Unidos e se casaram. Prosseguiu sua carreira com apoio de João e dos amigos Tom, Vinícius e outros.

RESPOSTA

Olá a todos, Resposta é uma composição de Ney Conceição que é uma referência nacional quando falamos em música em um contexto geral, originalmente os instrumentos solista desta composição é o contra-baixo elétrico, sax soprano e piano. Bem, sempre achei uma composição que exige bastante da técnica do instrumentista, pro trompetista a parte (A) da composição soa como um exercício técnico muito difício, e passei a estuda-lo para aquecimento de forma bem lenta. 
Neste vídeo o andamento é de 125bpm o mesmo da versão studio do CD de Ney Conceição, o playback foi feito de forma improvisada pois não tem playback desta música ainda, mais estou providenciando para as pessoas que gostam de se desafiar.
Executar esta música requer muita concentração e técnica, parabéns a Ney conceição pois essa música será um desafio a muitos musicos no mundo todo.
Ja estou estudando esta música, assim que ela ficar pronta com playback e improvisação gravarei o video novamente com mais seriedade pois este é apenas um teste de como irá soar com um trompete ou u flugelhorn como solista.
Até a proxima!

LOBO BOBO

Quase uma vinheta, ocupando pouco mais de um minuto do lado A do elepê Chega de saudade, “Lobo bobo” foi uma das primeiras composições da dupla Carlos Lyra-Ronaldo Bôscoli. Feita meio de brincadeira, a partir do tema de “O Gordo e o Magro” (Stan Laurel & Oliver Hardy), funciona como uma espécie de versão musical alegre, espirituosa e temperada por uma boa dose de malícia, da fábula “Chapeuzinho Vermelho”: “Era uma vez um lobo mau / que resolveu jantar alguém / estava sem vintém / mas arriscou / e logo se estrepou...”.
Inusitada para a época, esta letra causou reações negativas como as de Sérgio Porto  e Lúcio Rangel (“é um samba armado em burrice”)




Carlos Lyra
ou positivas como a de Ary Barroso, que achava “inteligentes” as letras da bossa nova. Já a censura implicou com a utilização do verbo “comer” no segundo verso (“que resolveu comer alguém”), obrigando os autores a trocá-lo por “jantar”.
Na verdade, “Lobo Bobo” seria uma auto-zombaria de Ronaldo Bôscoli, sendo “o lobo” ele próprio e “Chapeuzinho” Nara Leão, sua namorada na época. Mas quem gostou mesmo do sambinha foram os cantores João Gilberto e Sylvia Telles, que o gravaram quase simultaneamente, seguidos de perto pela então novata Alaíde Costa. (A Canção no Tempo - Vol.2 - Jairo Severiano e Zuza Homem de Mello - Editora 34).
 

Fonte: http://cifrantiga3.blogspot.com/2006/05/lobo-bobo.html
" The Pink Panther Theme "é uma composição instrumental de Henry Mancini escritos como o tema para o filme de 1963 The Pink Panther e, posteriormente, nomeado para o 1964 ao Oscar de Melhor Trilha Sonora Original . O personagem de desenho animado criado para os créditos de abertura do filme por David DePatie e Friz Freleng foi animado no tempo para o solista tune.The desta canção foi Plas Johnson .
RCA Records lançou a canção como um single em 1964, que atingiu o Top 10 da Billboard gráfico adulto contemporâneo e ganhou três prêmios Grammy .
Foi apresentada nos créditos de abertura de todos os The Pink Panther filmes, com exceção de A Shot in the Dark , e Inspector Clouseau . (Fonte:Wekipedia).
  • Este video Foi gravado em WebCam de 2.0
  • O Play Back é MID, carregado com VST's (plugins de instrumentos musicais).
  • O áudio capturado com microfones ROLAND DR-80C, interface de Audio Tascan M 164-UF, DAW REAPER.
  • Gravado na Escola de Música SEVENOTE.

5º Aluno InSide

É meus amigos, os músicos paraenses estão se renovando...
No dia 07 de maio de 2011, pude ter o prazer de participar do evento "Aluno Inside" que é o recital promovido pela Escola de Música Sevenote, e tive a oportuneidade de fazer a abertura do evento com meu grupo de música instrumental Marajazz com a grande participação de Elias Coutinho. Nossa apresentação foi muito bacana o público ficou maravilhado com as versões que apresentamos de "O Lobo Bobo" e "Garota de Ipanema", porém o que me chamou mais atenção, foram os aluno da escola de Música,que de fato foram o espetáculo.
A nova geração formada pela sevenote está comprometida com a música de qualidade ,independente de estilo ou gosto pessoal, eles estão fazendo música realmente com o coração o que me deixa orgulho ,assim como todos os outros professores da escola.
Enfim os alunos estão de parabéns....

SO DANÇO SAMBA (Tom Jobim)

Uns dos meus primeiros shows em parceria com Poli Dourado, esse dia foi muito legal deu pra fazer um som bem divertido.
Um abraço a todos e até a proxima.

MÚSICA INSTRUMENTAL EM BELÉM

Outro dia estava conversando com meu grande amigo Elias Coutinho ( Grande Saxofonista em Belém), a respeito da música instrumental em Belém, essa conversa nos levou a uma breve discussão, isso me levou a uma intensa reflexão que contaria de compartilhar com todos.
Belém respeitosamente é uma cidade em que os músicos apresentam grande qualidade, tanto como side man, quanto performance instrumental. Porém o público paraense ainda precisa de um incentivo para apreciar a música instrumental. É muito natural que o povo goste de ritmos quentes em virtude de sermos um povo, onde julgo, que mais de 70% das influências musicais são latinas.
Surge então a questão. Como fazer com que o Público sinta o prazer de ouvir a musica instrumental?
O que se deve fazer é deixar de achar que a música instrumental se resume em Jazz e Bossa nova, e parar com a idéia de que "americanizar" nos botecos e bares de Belém vai fazer com que o Público se sinta atraido. o que vai acontecer é que nós músicos vamos ser eternamente coadjuvante nas noites paraense; Ou criaremos uma grupo seleto das mesmas pessoas nos mesmos lugares.
Já disse o Sábio "se a montanha não vai a maomé, maomé vai até a montanha", Devemos estimular aos poucos o público, criemos repertórios onde o público se identifique. "não é vergonha nenhuma tocar " música de novela" , é uma estratégia para ganhar aos poucos o público. e bem lentamente coloque no ouvido deles a música que você deseja realmente.
" Não adianta tocar as músicas que um ouvido não esta acostumado ouvir".
" Existe o repertório para tocar para outro músico e o repertório para o leigo"
Faça boas escolhas nos seus repertórios e perceberá que seu público será fidelizado e gradativamente sentirar eles mais educado para a boa música.

Fabrício Figueira